um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

sábado, 28 de setembro de 2013

Metades



Posso ecoar ao mundo a que vim.
Mas, enquanto não acreditar em mim mesma,
Jamais poderei inspirar confiança alguma.
Posso acreditar no poder dos sonhos.
Mas, enquanto não me dispuser a sonhar também,
Jamais poderei recomendar que você feche seus olhos.
Posso ensandecer com os problemas do mundo.
Mas, enquanto eu não fizer da loucura minha a solução,
Jamais poderei demonstrar ao mundo cura qualquer para a alma.
A loucura é sim companheira dos sonhos.
Caminham de mãos dadas,
Rumo ao caminho da felicidade.
Mas, da felicidade ímpar de cada qual.
Sem comparações bestas quanto à sua intensidade e brilho.
Cintilam e oscilam a seu bel-prazer.
Sem precisões maiores.
Sem quereres alheio a influenciar.
Iluminam conforme querem.
Como quiserem.
Quem lhes for especial.
E para ser denominado “especial”
É necessário muito mais que fala.
É sê-lo e ponto.
Fazê-lo e exclamação.
Sem aquelas interrogações bestas
A nuvear as ideias.
É além dos paradigmas.
É aquém das aversões.
E das versões tantas todas
Que sempre estão na ponta da língua.
E são tantas!
Quase incontáveis...
Atormentam o tempo todo.
Como vizinho chato a bater à porta.
Queremos nos livrar.
Mas, por educação nos mantemos ali, em pé.
Todo ouvintes às lamentações feitas
Num breve momento de confissão.
Por falar em confissão
É preciso dizê-la também,
Lembrando-se dos nossos breves confessionários...
Escondidos de padres, pastores ou pais de santo.
Do cantinho nosso a confessar os pecados.
Pecados do corpo, ora d’alma!
Pecamos a todo instante.
Direta ou indiretamente.
Mas, o que seria pecar?
A nomenclatura é clara e objetiva.
Porém, a interpretação subjetiva e individualista.
O meu pecado nem sempre é o seu, e vice-versa.
O tempo que me disponho a ajoelhar,
Pedindo uma luz como guia
Talvez lhe seja considerado algo a gargalhar.
O caminho percorrido à felicidade minha
Nem sempre será o mesmo que o seu.
Ao menos que sigamos os mesmos objetivos.
Contudo, ainda assim poderemos nos desviar...
Para, quem sabe, lá na frente trombarmos
Nossas ideias e ideais, novamente.
Essa subjetividade toda é a diferença!
Faz a roda das coisas girar
Num frenesi tão grande
Que, se não soubermos nos equilibrar,
O chão e a loucura serão nossos fiéis companheiros.
Somos loucos todo o tempo, também.
Ao nosso modo.
Numa individualidade de loucura
Que psiquiatra nenhum consegue amenizar.
Somos loucos, sim!
É melhor sermos assim!
A vivermos de forma “quadradinha”,
Num jogo de peças de montar.
No entanto, nem toda loucura foge à regra...
E acaba por fazer-se montar num eterno jogo.
O jogo das pecinhas de encaixar.
Encaixamo-nos, nos desencaixamos.
Numas peças meio desgastadas
De tanto encaixa-desencaixa.
Essa brincadeira de descobrir o melhor encaixe
Além de desgastar, enjoa.
E para fugirmos dessa rotina de procura,
Acabamos por nos tornar ensandecidos.
Verdadeira ou convenientemente.
O quanto nos couber sê-lo ou fazê-lo.
Estrategicamente.
Então, nos contradizemos se somos loucos, ou não.
Se somos verdadeiros, ou não.
Contradizemos nossas ideias.
Contradizemos nossas próprias atitudes.
E fingimos tanto
Que fingimos a nós mesmos.
Uma meia-verdade
Numa meia-idade.
Com uma meia-vontade.
Tornamo-nos metades.
E não seres completos.
Oh! Coisa boba essa de se dividir ao meio!
Não somos nossos, nem dos outros.
E depois julgamos do próximo
Toda a parte que nos cabe do queijo!
Toda ela!
Os pés, os braços,
Os abraços e os beijos.
Com queijos e goiabadas
A adoçar e salgar a vida.
Mas, se somos metades quase todo o tempo,
Como cobrar em quê completo?
Oh! Humanidade insana!
Que baba colorido quando lhe convém.
E que rateia por sentimentos de forma austera.
Quase imposta.
Posso mostrar a que vim.
Das mais diversas formas.
Mas, enquanto eu não for um ser completo...
Jamais atingirei meu público.
Jamais deixarei de ser amador,
Para reinar no campo do profissionalismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário