um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

domingo, 29 de junho de 2014

Patriotismo & Hipocrisia



Parada, olhando a imensidão verde e amarela que se forma nos quatro cantos do país, fico abismada com tamanha força que carrega o brasileiro em se dividir, em tempos de festividades.
Entretanto, seria assim também em dias de normalidade cotidiana?
Se você pensar um pouco, verá que minha pergunta faz sentido. Isso porque quase não se vê a bandeira flamulando em seu mastro em dias de feira, de pagamento de contas. O povo pouco (ou nada) se lembra da nação, do patriotismo brasileiro quando falta pão e leite; quando os boletos vencem; as filas dobram as esquinas.
Muito pelo contrário. Preferem praguejar Pedro Álvares Cabral por ter desviado sua rota rumo às Índias, e ter feito morada em meio às terras tupiniquins.
Então, seria hipocrisia essa coisa toda de “eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor!”?
Sinceramente, em partes sim. Porque não devemos nos orgulhar da nação que temos como gentilícia em tempos de bola rolando e bumbuns arrebitados, em meio ao samba! Deveríamos, pois, nos orgulhar de fazer parte da nação cheia de estrelas também em dia de céu encoberto.
Mas, o brasileiro se orgulha tão somente do que pouco o denota orgulhosamente. Presta atenção à bola quicando de um lado ao outro da grama, e depois reclama da falta de comida no prato; das pilhas de contas se formando no final do mês.
Reclama de tantas coisas e vangloria-se de ser brasileiro em dias de Hino Nacional na TV. Esquece-se, entretanto, do mesmo Hino Nacional em dia de eleição partidária. Para tanto, prefere a anulação ou a receptação ilícita de algo que lhe cale a boca.
E se entrega ao primeiro “cidadão exemplar” que lhe bate à porta, oferecendo aquela “graninha” para que as contas do mês fiquem pagas. E se sobrar uns trocados para o churrasco e a pelada no campinho da vila, melhor ainda!
A hipocrisia, infelizmente, é algo que põe o brasileiro entre os menos confiáveis da humanidade. A mão que aplaude a Copa do Mundo, o Carnaval das Agremiações Sambistas e as Manifestações mal intencionadas é a mesma que recolhe os tostões sujos das mãos da maldade. Depois sobem nos palanques, cobrando menos gastos, mais arrecadações e melhorias para os mais pobres.
Pobres? Os pobres de grana? Ou os pobres de espírito? Porque uma coisa é não ter o dinheiro do pão quentinho toda manhã e, labutando, matar a fome com sopa de fubá ralo. Outra bem diferente é dizer-se paupérrimo em tempos de pagamentos de contas, de honradez com seus compromissos diários e ostentar-se na primeira fileira dos estádios, com a mão direita sob o peito inflado, cantarolando feito canário o Hino Nacional Brasileiro, reverenciando uma pequena “nação” que ganha milhões à custa da idiotice dos tais “espertinhos” que atrasam o andar da carruagem.
Vai ver talvez seja por isso que ainda trotemos de jegue ao invés de caminhar de salto alto...

Nenhum comentário:

Postar um comentário