um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Em meio à noite... Loucura!



Uma e meia da manhã.
Lá fora, o vento uiva sua fúria.
Aqui, dentro de mim, urro meu desejo mais selvagem.
Debaixo do cobertor me contorço, relembrando sua voz me percorrendo.
Como não recordar cada palavra posta sobre a pele?
O contorcionismo toma conta das entranhas.
À medida que anseio sua visita a minha cama.
Todavia, está longe demais do perfume que exalo.
Longe dos meus cabelos curtos e acastanhados.
Dos meus olhos meio verdes, meio amendoados.
Segue distante e aqui, debaixo do meu cobertor.
Quase posso sentir sua força, sua febre.
A querer fazer de mim seu bibelô.
Seu brinquedo do momento.
Sua diversão mais prazerosa.
E então, divirto-me por nós dois.
Num frenesi de movimentos manuais que quase me enlouquecem.
Quase nada, enlouquecem-me!
Perco-me em meio à maciez dos lençóis de algodão percal cento e oitenta fios.
No meio da minha própria maciez.
Sei cada cantinho a excitar.
Em troca de seiva de um prazer regado a saudades.
Ah! Se estivesse aqui!
Se adentrasse em minha mais louca excitação!...
Em especial em noite de frio a bater na janela.
Mas, não há a menor possibilidade de tele transporte.
O que resta é o idílio.
O profundo imaginar  de sensações, de posições e poderes.
Pode me renovar às energias,
Fazendo com que eu me perca em meio ao sexo.
Posso lhe fazer perder boas horas de uma noite mal dormida.
Podemos fazer parte um do outro, ou nem fazê-los.
Basta que a coragem em encurtar a distância esteja ao alcance.
Basta que a alcancemos com a ponta da língua, toda adocicada.
Num mexe-mexe quase que profissional,
Danço sobre suas coxas como que à procura do “mexer com fogo”...
Atiço, persisto e percorro com as mãos, com os lábios...
Até cair de boca no falo ouriçado pelo perigo.
Freneticamente, me toma e devora.
Especula e saracoteia a seu bel-prazer.
Faz com o céu chegue pertinho e alma vá tocá-lo e volte, em segundos.
Joga-me na cama, de costas, e me beija a boca.
Como forma de agradecer o amor recebido em êxtase.
Como forma de dizer que foi bom, que é sempre bom o entrelaço.
É sempre bom quando a noite é longa e ao seu lado.
Contudo, você não está aqui, para me esquentar.
De todas as formas possíveis.
Com todas as estripulias manuais, labiais e sexuais que tão bem sabe o caminho.
O frio lá fora uiva sua fúria.
E eu, depois de urrar seu/meu desejo em tê-lo em minha cama,
Adormeço feito criança.
Para sonhar os sonhos pervertidos.
Para adornar um pouco mais as pitadas de loucura que me causa.
É frio e aqui, debaixo do cobertor, adormeço.
Como vim ao mundo, nua e crua.
À espera que você ainda chegue, sorrateiro.
Será que você vem?
Eu aguardo ansiosa, devaneando e tateando suas peripécias...
Aguardo e sinto.
Sinto, aguardo e adormeço...

Um comentário:

  1. Nossa lindo perfeito...se fosse comentar o que senti lendo seu texto maravilhoso seria um novo texto!foi de tirar o folego e suspirar!PARABÉNS!

    ResponderExcluir