um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

domingo, 28 de julho de 2013

Inversão


O que mais se vê
Nesses dias tão nossos
É a utilização da palavrinha inversão.
Inversão de valores
Tão básicos quanto arroz com feijão!
Inversão do amor.
Pondo à frente
Toda forma de materialismo substancial.
Em vez de ecoar d’alma
Um “eu amo você!”.
Inversão de critérios do bem.
Deixando para lá o famoso e antiquíssimo
“Faço por amor...”,
Em troca do mais atual
“Faço em troca de algo...”.
Inversão de simpatias.
Dando sorrisos ao espelho,
E nem um “bom dia!” ao vizinho,
Como forma de cordialidade.
Inversão de bondades.
Sendo boníssimo a estranhos
De caráter duvidoso,
E menosprezando aquele que lhe dá alimento e colo.
Inversão de gratidão.
Cuidando da gripe de um “ficante” qualquer,
E pondo os genitores num asilo fétido e de quinta!
Como é hipócrita o ser humano!
Julga-se tão perfeito,
E nem percebe sua falta de coração!
Nem percebe que inverte as bolas,
Que vira o mundo de ponta cabeça!
Orgulha-se dos diplomas todos,
E na grande maioria das vezes
Mal eles servem como papel higiênico.
Isso quando servem!
Inverte-se tudo,
Em prol do que lhe valha a pena...
Em troca de algum favor retribuído...
De algo que satisfaça o ego, o bolso!
Deixam-se valores de lado.
E o que se vê são criaturas
Que rebolam com o bumbum para cima
E mal sabem fazer o “O” com o próprio ânus.
Mal sustentam o que dizem.
Mal sustentam as próprias pernas.
Deixam-se levar pela hipocrisia,
E depois enfeitam cartazes de margarina.
Com aquele sorriso largo na cara
E aquela felicidade mais falsa que nota de três reais.
Há quem diga ser isso tão normal!
Há quem, entretanto, prefira não sorrir, sem vontade.
Que feche o cenho sem chance
De uma denotação equivocada.
Que fique na sua.
E seja feliz.
Que siga valores arcaicos.
Mas, que os siga!
Há quem prefira viver...
E não fingir que vive.
Há quem escolha a delicadeza
Ao invés da brutalidade de sentimentos.
Quem curta chocolate colorido
Ao invés de café sem açúcar.
Sabe...
Ainda bem que ainda há gente
Que sente no outro um pouquinho de si.
Ainda bem.
Ou estaríamos na lama, literalmente.

Um comentário:

  1. Amei minha irma de alma!!!Vc iluminada!!!
    Meire Morales

    ResponderExcluir