um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

sábado, 26 de abril de 2014

Doce Maldade



Posso me desdobrar em elogios à hora que quiser.
Basta apenas que estale os dedos.
Que me chame com o indicador.
Posso não ir correndo.
Mas, prometo estar aí antes mesmo do seu piscar d’olhos.
Assim, rapidinho.
Num tele transporte de última geração.
Posso satisfazer seu desejo mais profundo.
Contudo, deve estar atento aos meus caprichos.
Gosto de uma boa dose deles.
Regados a vinho e flores.
A chocolate e prazeres.
Num jogo de morde e assopra, posso enfeitiçar sua cabeça.
E você precisa saber que isso é verdade!
É preciso querer.
É preciso buscar em pensamento.
Sou boa em decifrar pensamentos.
Expert em ouvir sonhos alheios.
Em especial os que tiram o sono.
Aprendi a decodificar imagens sobrepostas.
A fim de melhorá-las a meu bel-prazer.
Sou caprichosa.
Por ser e por querer ser.
Dona de rodeios e devaneios.
De auréolas e tridentes a colecionar.
Coleciono bondades e maldades em gavetas.
Todas muito bem organizadas, nome a nome.
E decoro quase todos.
Ao menos, os mais inesquecíveis.
Aqueles especiais, com pitada de revival.
Revivo-os sempre que a imaginação pede.
Em minha memória sou dona de todos os meus casos.
Não coleciono casos, tanto assim.
Vivo conforme pede minh’alma.
E me entrego em pedacinhos.
Faço de mim pedaços de açúcar cristal.
Para você me sentir em sua boca, salivando.
E amo que me deguste, que me saboreie.
Sou açúcar, chocolate branco em pingos...
Daqueles de se derreter no meio da língua.
Daqueles de se comer devagarzinho, para não acabar.
Basta apenas que me devore.
Que queira me devorar com colherzinha de Danone.
Acordei com uma pitada de maldade no sexo.
E não há melhor forma de expulsá-la do que me unindo a você.
Num querer dilacerado.
Numa conjunção exacerbada de carnes que se faíscam.
Excita minh’alma ao menor sussurro.
Atiça, ouriça e perturba a menos palavra dita, ao telefone.
Enlouquece e me enriquece de todas as maneiras.
Levemente me apaixona...
Por pequenos instantes inesquecíveis.
Passíveis a um pedido de repeteco.
Cola o seu corpo no meu.
Lambe minha seiva mais profunda.
Leva-me ao delírio!
Há maldades que são perdoáveis.
E você, em meu contexto mais diabólico, certamente é uma delas.
E se não for para o céu por causa disso...
Que se dane São Pedro!
Faço uma confraternização com sua alma lá do lado de baixo do mundo!...

Nenhum comentário:

Postar um comentário