um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

domingo, 28 de abril de 2013

Primavera




Há dias de primavera
Mesmo em meio ao outono.
Dias em que o sorriso brota solto
No canto dos lábios.
Mesmo que não percebamos.
Dias em que cantamos junto à música.
Bem baixinho.
Mal movendo a boca.
E quando vemos, estão nos olhando,
Como se fôssemos palhaços sem pintura.
Coisa boa de ser sentida
Quando a alma não sente dores!
Quando Deus nos olha mais a fundo
E resolve dar-nos um “bom dia!”...
Há dias que o respirar fica mais brando
A pele mais brilhante
E os pensamentos mais flutuantes.
Isso nos renova as forças
E nos faz querer ficar,
Mesmo debaixo de chuva.
Então, enchemos os pulmões,
Com todo o oxigênio próximo,
E damos aquela gargalhada gostosa
Que contagia quem quer que ouça.
Pulmão cheio, gargalhada dada...
Deixamos os monstros debaixo da cama.
E até ousamos
A sair de chinelo de dedo
Quando a ocasião pede salto agulha.
Criamos coragem.
Sentimo-nos donos de nós mesmos.
Sem receio das críticas bestas
Que pessoas pequenas o fazem.
Com o intuito de nos minar a alma.
Há dias em que o sol brilha
Mesmo num finzinho de tarde
Depois de um dia cheio de chuva fina.
E é bom demais vê-lo vindo
Dar-nos “oi!”.
Faz com que queiramos continuar
A saltitar a amarelinha da vida,
Mesmo que tenhamos nos esquecido das regras do jogo.
Mesmo que estejamos com dores nas juntas.
Mesmo que tenhamos uns oitenta e poucos anos.
E para abrilhantar mais, à noitinha,
Surge a lua linda a nosso deleite.
Ilumina nosso caminhar noturno,
Para enxerguemos os obstáculos.
E assim vamos levando.
Com sorrisos gostosos, em dias de primavera d’alma.
E também com alguns chuviscos lacrimais,
Só para variar um pouquinho.
Só para lavar-nos das poeiras postas
(e impostas)
Por aquelas pessoas pequenas
Que só nos lembram
Quando somos meramente interessantes.
E de gente assim... Aff!
Só Deus para suportar
Com toda sua sabedoria divina!...
E por não possuir divindade quase nenhuma,
Vou seguindo, tropeçando,
E rindo dos dedos cortados
Pelas “topadas” dadas.
Vou buscando acertar.
Vou querendo continuar
Porque as manhãs primaveris surgem.
Quase sempre depois de um inverno rigoroso.
Onde a gente prefere encobrir a cabeça e os pés
Com cobertores grossos e quentinhos.
E elas, as primaveras, surgem belas.
Prontas a colorir a vida.
Prontas a perfumar o caminho
E a deixar flores,
Onde normalmente há espinhos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário