um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Questionamentos



                Às vezes, me pego a pensar até quando a humanidade vai bater de frente à realidade vivida. E sinceramente, a questão é bem dialética.
                As pessoas questionam sua realidade e vice-versa. Como se estivessem descrevendo uma receita de bolo de cenoura com calda de chocolate. Questionam o porquê de sua existência desta ou daquela forma, e no fundo se esquecem de questionar se seriam ou não merecedoras de algo diferente do que é vivido.
                Têm todos os questionamentos na ponta da língua, mas nem se lembram de agradecer por terem o pão e o teto como maneira de vida mansa.
                O que mais se vê nos dias atuais são criaturas que não se contentam com a forma física, com a quantia de grana que têm em mãos. Reclamam por terem cabelos crespos, quando a moda é liso e escorrido, igual espaguete. De terem uns ou mais quilos a mais, nessa enorme ditadura  de ser quase uma tábua de passar roupas. Reclamam das rugas, das celulites, das estrias, e esquecem de que elas fazem parte do aprendizado do enorme caminhar.
                Reclamam disso, daquilo. Querem um carro novo, mais “da hora”, quando nem terminaram de quitar a “bíblia” do financiamento.
                As pessoas no fundo posam de “boazudas”, cheias de lero-lero, quando mal sustentam suas contas, suas crises.
                E por falar em crises, é natural que as tenhamos. Contudo, é absolutamente anormal que as mantenhamos!
                As criaturas humanas são estranhas! E quando digo isso, é claro que me incluo! Seria hipócrita se não me pusesse no meio da bagunça.
                O que é preciso ressaltar de forma garrafal e sublinhada é que a gente não é feliz com o que tem. Quer sempre o esterco que faz brotar mais verde a grama do vizinho. E ele, o vizinho, quer mais é o nosso adubo; justamente por crer que o nosso jardim é mais bem cuidado.
                Coisa mais pequena essa! A eterna disputa entre o ter o querer ter.
                A gente tem comida, tem emprego, tem família. Enxerga, ouve e fala como qualquer outra pessoa sem necessidade especial. E quer mais! Quer a família do amigo, porque “essa sim é uma família feliz...!” Quer um  emprego de sheik árabe, dono do petróleo, que é quase “Tio Patinhas”, nadando nas moedinhas de ouro. E quer sempre comer salmão com especiarias a enfeitar o sabor. Não quer saber de ovo frito, com arroz e feijão por crer isso ser coisa de pobre.
                Ah! Se soubéssemos apreciar o temos em nossas mãos... Certamente trabalharíamos com mais vontade, agradeceríamos a família que temos e saborearíamos o mesmo arroz com feijão e ovo, de forma única!
                Porque o essencial é invisível aos olhos, já dizia o poeta. É invisível, mas altamente sensível à alma!
                Se parássemos a perceber onde fomos postos e o intuito de estarmos lá, aqui... Talvez víssemos que na realidade estamos bem.
                Mas, e as celulites as gorduras, as moedas, os familiares? Eles são os que nos cabem. É a lei da vida. É a forma de aprendermos que evoluir é algo necessário. E que cada um tem para si o que escolheu e merece.
                Nada, além disso... Pense nisso!



Um comentário:

  1. Show!!! perfeito incrível seu texto tbm me incluo nele !PARABÉNS

    ResponderExcluir