um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

domingo, 17 de março de 2013

Inconstância



Ando querendo enxergar
Em tons coloridos.
Meus filmes passam em preto e branco.
Por vezes, os rebobino.
Noutras, nem me preocupo.
Num constante “assiste e cochila”,
A vida vai passando...
Ora com holofote de um mega show,
Ora no silêncio de um cinema mudo.
A vida segue em altos e baixos
Tal qual um eletrocardiograma.
A diferença é que as oscilações
Permanecem guardadas em relatórios, de prontuários,
Apenas e tão apenas na memória humana.
Há dias em que me pego concatenando...
Tentando compreender
O porquê so ser humano
Ser tão assim...
Uma inconstância absurda?!
Penso, penso...
E aos poucos as hipóteses surgem.
Talvez seja obra da genética, creio eu.
Afinal, vemos pais e filhos
Tão iguais na ignorância
E também no cultuar d’alma.
Mas, seríamos hipócritas
Se víssemos na genética
A resposta mais certeira.
A genética talvez auxilie.
Todavia, somos feitos de opiniões ímpares.
Cada qual segue o que deseja.
Quando e o quanto seu desejar pede.
E não adianta forçar algo a mais.
Somos feitos aos poucos.
Quando nos apertam
Talvez nos tornemos mais inconstantes ainda.
Uma “mistureba” de sorrisos e expressões sisudas
Que chega a ser engraçado!
Graça aos olhos d’um,
Falta de humos para outros.
Somos inconstantes por natureza...
E cada vez tendemos à piora.
Vamos ficando velhos,
Com a pele flácida e fina,
E a paciência mais fina ainda.
Damos “coices” como touros bravos
Na mesma intensidade com que
Quase mendigamos um cafuné.
Existem pessoas que são piores.
E amargam além do café
A alma, também.
Vivem à espera do mal
A quem quer que cruze seus caminhos.
Digo que pessoas assim
Deveriam aprender
A fabricar sapatos.
As marteladas no couro duro
É o que moldam os calçados.
E o melhor, ele não reclama.
Em meio a tantas constâncias e inconstâncias
Tem dias em que também oscilo.
Tão igual a todo mundo.
Tão ímpar em minhas oscilações!...
Esbravejo. Falo mal.
Choro. Peço colo.
Ainda bem que os que me guiam
Compreendem em silêncio.
Afinal, se não o fizessem,
Talvez um surto psicótico seria a melhor solução.
Risos à parte,
Ponho-me à mercê do dia a dia.
Espero na força do tempo
A velocidade do vento
A conduzir minhas velas.
Apenas sento e espero.
Em dias de maré baixa, mar tranquilo e doce,
Contemplo a paisagem
E recordo-me a que vim.
Muitas lembranças n’alma.
Muitas perguntas no encéfalo.
E respostas?...
Ah! As respostas a vida dá!
Seja através de um sorriso infantil
Em plena segunda-feira pela manhã,
Seja no correr das lágrimas
Que já sabem os caminhos
De cada maçã do rosto
Quando as perguntas são maiores
Do que as respostas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário