um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Filhos do Sol



Talvez o raiar de sol
Que adentra pela fresta da janela
Venha me aquecer da solidão.

Talvez eu saiba o caminho...
Mas esteja à espera daquela mão toda especial
A guiar meus passos.

Talvez o ato de caminhar com as próprias pernas
Leve-me a muitos tombos, e hematomas eternos.
Entretanto, quando olhá-los, saberei que cada qual
Possui seu quê todo especial.

Acredito no amor, e em sua infinita força enquanto mudança.
Creio que só seremos algo se realmente perdermos o medo do escuro,
Do monstro que mora embaixo da cama,
E de sermos verdadeiros!

Crer em algo faz com que nos tornemos mais fortes,
(ou menos covardes)
Faz com que estufemos o peito e sigamos em frente
Mesmo sabendo que à frente mora um abismo;
Tão grande quanto as tormentas d’alma...
Tão sombrio quanto cada choro silencioso.

Fechar os olhos e teletransportar-me.
Voltar aos vestidos e anáguas,
Aos prantos e promessas...
Tudo tão vivo
Tão distante...

Ecoa-me n’alma
Cada lembrança
Cada melodia.
Cada choro solitário,
Sufocado pelos espartilhos
Amarrados pela dama de companhia.

Pensamentos rondam minha mente.
Ora com todo o sentido do universo,
Ora sem sentido algum que sirva.

Debato-me comigo mesma.
Busco respostas.
Ensaio prosas e versos.
Contudo... tudo não passa de ensaio.

Um ensaio sem fim.
Cheio de fantasias e perfumes
Maquiagens e brilhos a enfeitar.
Às vezes, faço graça.
Noutras, busco véus a esconder meus desalentos.
Busco encontrar-me em meio aos sonhos.
Devaneio muito, e quase sempre morro em mim mesma.
Uma morte lenta e dolorosa.
Carrega-me como que tentando arrancar os pecados
Que possa haver em meus poros.

Pecados... O que na verdade serão eles?
Um olhar distinto, adocicado.
Um perfume que vem com o vento
E nos remete a momentos ímpares.
Um sorriso, um meio sorriso quase que enigmático
E lá está nossa consciência a nos buzinar moralidades.

Trancamos nossos portões.
Fechamos as janelas
Para que nada de mau nos aconteça.
Contudo, nos esquecemos que somos nós mesmos
Quem buscamos o mau.

Somos feitos de bondade
Mas recheados pela loucura!
Insanidade sem fim.
Somos levados ao delírio
E nem sequer percebemos o quão isso nos faz bem, às vezes.

Delírios, loucuras...
O bem e o mau fundidos na carne.
As asas, ora alvas, ora negras
Fazem questão de estarem sempre buscando o vento.


Fomos feitos para voar.

Mesmo que percamos o fôlego.
Que as asas, enferrujadas pela falta de uso,
Queiram permanecer assim,quietinhas.

Fomos feitos de vento, de sol.
Somos filhos do sol e da lua
E essa nossa filiação
Sem dúvida nos permite buscar
O verdadeiro caminho.
Mesmo que para isso
Machuquemos nossos dedos, quebremos as unhas.

Somos asas, somos lágrimas.
E essa miscelânea toda
Nos faz ser seres humanos...
Seres em busca da luz
Mesmo que essa luz não brote de nós
E sim de algum anjo
Que conosco venha caminhar.
Seja por vontade própria
Seja para nos resgatar enquanto for possível fazê-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário