um pouco mais sobre mim...

Minha foto
Casada, escritora, com a alma rodeada de perguntas... Amo meu marido, minha família e meus animais de estimação. Sou um pouco ansiosa, gosto de tudo o que faz bem. Amo escrever... Isso faz de mim elo com os sentimentos que me consomem e que vagam por entre as pessoas. Sou uma pessoa extremamente intuitiva, que adora ouvir música (extremamente seletiva quanto a isso), que ama escrever, que faz do amor sua fonte de energia vital... Sempre!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Madrugada


Ao silêncio da madrugada
Amo os acordes mais agudos de um sax...
O ecoar doce e melódico de um violino...
De um canto gregoriano.
Mas é ao som de Vercillo
Que busco minhas maiores inspirações,
Aquelas do fundo d’alma.
Aquelas de acordar no meio da noite
Com as palavras na cabeça
E sair correndo à procura de papel e caneta
Para anotar um breve verso, uma estrofe rascunhada
Que virará uma poesia...
Ou talvez uma prosa poética
Falando do que mais me encanta
Ou me tortura no momento.
E esse mesclar de sensações
Torna minhas noites tão agitadas
Como se estivesse a correr maratonas.
Acordo agitada, pensamentos fervilhantes...
E na alma a ansiedade de adormecer e acordar
Com a sensação de mais uma surpresa...
Surpresas à parte... Sonhos me rodeiam noite adentro.
Abraço pessoas que eu não me lembro.
Sorrio com elas.          
Beijo as mãos e as faces de seres que me enchem de suspiros.
E posso dizer que são suspiros reais.
Acordo sorrindo, levemente.
Então fecho meus olhos rapidamente
Só para conseguir mais um momento.
Mas, nem sempre consigo essa proeza.
Há momentos em que me vou para cantos sombrios,
Onde o medo me assola a espinha dorsal.
Algo paradoxal, que me tortura.
Fico acuada, com todo o receio do mundo.
E fecho não só meus olhos mais firmemente,
Como prendo minha respiração e perco meus pensares.
Como se estivesse sendo ouvida, em meus mais íntimos segredos.
Não me sinto confiante.
Oro. Rezo. Peço por toda a luz do mundo.
E então, volto às minhas inspirações.
Tão adeptas à madrugada.
Tão cheias de energias, ao som de um Vercillo, um Kenny G, um Djavan.
Os sons dos acordes melódicos
Criam em minh’alma caminhos, ramificações de felicidade.
Uma felicidade que ora me encanta, ora me faz fortalecer.
Um misto de felicidade explícita e escondida... Subentendida.
Um misto de querer estar assim, e sair correndo, fugindo.
Mas, sinceramente... Fugindo de que? De quem?
Talvez de tudo o que me congela o sangue.
O que me faz palpitar o peito mais aceleradamente.
Talvez dos reflexos solares de minha pessoa no espelho d’alma.
Seja no quadrado refletor pendurado em minha parede,
Seja no reflexo de mim mesma, na poça d’água formada após a chuva.
Talvez eu fuja. Fuja rápido.
Fuja de mim mesma.
Fuja das sensações.
Fuja doa receios.
Fuja das consequências.
Fuja dos desesperos leves que se formam
Toda vez que o pesadelo vem me assolar
Em noites de lua minguante.
Toda vez que a ansiedade me tira o sono, a calma...
Toda vez que o trovejar me treme as veias.
Talvez esse medo todo tenha uma lógica.
Talvez, não.
Talvez me faça mais forte.
Talvez, mais covarde ainda.
Talvez me torne um ser melhor do que sou.
Talvez, nem tanto.
Apenas digo que a madrugada me fascina.
Um fascínio apaixonante.
Um querer estar junto.
Um esperar cada segundo.
Uma madrugada a mais.
Um suave som de estar assim...
Curtindo cada detalhe,
De cada noite mal dormida
Sentida na pele, nos pelos.
E, certamente, inebriada na alma
Cada dia mais afim de sensações torpes
De lembranças todas
E de um final mal escrito, descrito...
À espera do ponto de reticências
E daquele toque todo especial
Que deixa a gente mais leve... à mercê...
Enquanto a alma estiver afim...
Assim...
Querendo sentir tudo isso...
Enquanto houver respirar.
Enquanto houver querer...
Enquanto houver bem-querer na alma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário